As empresas mais inovadoras de IoT

As empresas mais inovadoras de IoT

Início de ano é o momento que os rankings das melhores empresas do período anterior, em diferentes áreas, começam a ser divulgados. Um dos mais conceituados quando se trata de inovação é o elaborado pela revista Fast Company, que aborda um variado modelo de serviços e produtos inovadores em várias áreas, não necessariamente ligadas à tecnologia. Entre os setores abordados está o de Internet das Coisas que este ano colocou entre as mais inovadoras a Kickstarter,Samsung e Sparks. Na categoria eletrônica de consumo, Google, a montadora de carros elétricos Tesla (que também figura nas classificadas de IoT) e a fabricante de drones DJI saíram na frente. A empresa mais inovadora da América Latina de acordo com a publicação é a chilena Algramo por ter uma solução simples e prática para comercializar alimentos nos subúrbios de Santiago.

A Kickstarter ficou em primeiro lugar no ranking de IoT por sua contribuição em levar milhões de dólares em financiamento para o mercado de Internet das Coisas. “O site de crowdfunding não participa apenas com o dinheiro para as startups que têm projetos nessa área como ainda fornece uma comunidade de clientes dedicados que querem melhorar suas vidas por meio da tecnologia”, diz a publicação.

A Samsung ficou em segundo lugar por “aprender com seus próprios erros”. Enquanto trava uma grande batalha com a Apple e mais recentemente com a Xiaomi no campo dos smartphones, a coreana soube acionar um grande número de dispositivos wearables e aplicações e aparelhos inteligentes, de lava-louças a geladeiras, reforçando uma ampla plataforma de distribuição de conteúdo, serviços e aplicativos.

A colaboração da Sparks foi incentivar o rápido desenvolvimento do mercado de IoT. Ela fornece um sistema que conta com nuvem e placa de ensaio (breadboard) habilitados para Wi-Fi que permite uma rápida interação com desenvolvedores de Internet das Coisas. Em seguida está IFTTT, que ampliou sua atuação inicial que permitia a usuários escreverem receitas simples para conectar serviços digitais e ganhou musculatura com o passar dos anos. Agora, passou a integrar devices e automatizou os serviços o que pode facilitar que pessoas comuns e não apenas desenvolvedores possam conectar todos os seus dispositivos na plataforma e customizar seu hardware em poucos cliques.

Em quinto lugar ficou o Transport for London, que, de acordo com a revista, levou o primeiro sistema de metrô para o século 21. A empresa de transportes londrina trabalhou com a Telent, CGI, e Microsoft para integrar sensores conectados à nuvem dentro das instalações do metrô. Isso significa que as autoridades de trânsito podem detectar problemas em tempo real a partir de um conjunto de painéis de controle central. Elas podem acompanhar tudo, incluindo aparelhos de ar condicionado, vibrações equipamentos, câmeras de vídeo e alertas automáticos, facilitando ao pessoal de suporte fazer reparos e colaborando para corte de custos do sistema ferroviário.

A Microsoft está na sexta colocação, por abrir o Windows para a Internet das Coisas, anunciando licenças gratuitas para dispositivos com telas menores que nove polegadas e novo acelerador. A Quirky, que construi uma plataforma comum para IoT vem em seguida e na oitava colocação está a Nest Labs, da divisão Google Nest. A Tesla Motors é a nona colocada, por colocar IoT nas “quatro rodas” e a Salesforce ocupa a 10ª colocação “por levar a Internet das Coisas para o ambiente de trabalho”.

No ranking dos produtos eletrônicos de consumo, além de Google e Tesla, também figuram na lista das 10 mais inovadoras desse mercado a DJI, chinesa que produz drones, a  Fuhu, a empresa que mais cresce nos Estados Unidos e comercializa o Nabi, linha de tablets infantis, a GoPro e suas câmeras de ação, a Microsoft, mais uma vez, a MakeSpace, baseada em Nova York e que está sendo saudada como a Dropbox dos meios físicos, e a Samsung novamente. Em nono lugar está a Silent Circle, que comercializa o BlackPhone, com alto índice de proteção dos dados, e na décima colocação está a Motorola Mobility que mesmo sendo alvo de uma negociação de venda do Google para a Lenovo no ano passado não deixou de investir em produtos inovadores.

No ranking geral da Fast Company, a empresa mais inovadora foi a ótica novaiorquina Warby Parker, que construiu uma marca forte no e-commerce e tem hoje mais de 10 lojas na cidade. Na América Latina, a Almagro lidera por ter instalado máquinas de vendas automáticas de produtos alimentícios a granel nas pequenas lojas na periferia de Santiago permitindo que elas possam competir em preços com os grandes supermercados.

A única empresa brasileira que entrou no ranking da Fast Company foi a A empresa carioca de moda Reserva está no ranking 2015 das empresas mais inovadoras do mundo da revista norte-americana de negócios Fast Company. A lista foi anunciada nesta segunda-feira (9), e a aguardada edição da revista chega às bancas em 17 de fevereiro. O primeiro lugar ficou este ano para a óptica novaiorquina Warby Parker, em um conjunto de nomes como Apple, Google, Netflix, Ikea, L’Oreal e Toyota.

A Reserva foi a única empresa brasileira citada pela publicação entre as empresas mais inovadoras da América Latina. A escolha marca carioca de moda se deve em grande parte à iniciativa Rebeldes com Causa, campanha institucional de responsabilidade social lançada em 2014, que também rendeu ao presidente do grupo, Rony Meisler, outro prêmio internacional – Gentleman of the Year 2014, concedido pela instituição Fashion for Development. Em anos anteriores, a Azul chegou a figurar o ranking geral das empresas mais inovadoras conforme os critérios da Fast Company.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha: *
Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.