Maior parte do orçamento de TI fica comprometida com infra e data center

Maior parte do orçamento de TI fica comprometida com infra e data center

Acentuando mais uma tendência mostrada no ano passado, o orçamento de TI nas mãos dos CIOs continua altamente comprometido com infraestrutura e data center. De acordo com o Gartner, 57% do budget é dedicado a essas áreas, deixando um espaço menor para ser aplicado em novas tecnologias, software e inovação. Não é à toa, que a otimização de custos está colocada como prioridade pelos executivos de tecnologia este ano. Um movimento que vai exigir bastante equilíbrio considerando que a alta do dólar já dá sinais de impacto sobre as compras de equipamentos e poderá levar a uma aceleração da modalidade as a service.

Não são poucos os desafios que estão sendo colocadas aos CIOs. Um levantamento realizado hoje, durante a abertura da Conferência Gartner Data Center, Infraestrutura e Operações de TI, mostrou que 28% dos executivos presentes devem priorizar a otimização dos custos. Até 2018, 75% quer reduzir seus gastos em 25%. Mas essa estratégia esbarra em vários obstáculos, como a necessidade de fazer frente ao aumento do dólar frente ao real ao mesmo tempo que é acelerada a curva para adoção de sensores e dispositivos conectados no cenário da Internet das Coisas (IoT).

John Morency, vice-presidente de pesquisas do Gartner, lembra que em cinco anos o mundo terá 25 bilhões de dispositivos conectados, exigindo ainda mais dos CIOs no reforço da infraestrutura e nas aplicações que podem ser geradas por esse quadro. E as aplicações estão tendo mudando nos últimos anos e o consumidor cada vez mais exige serviços real time, completou David Capuccio, também vice-presidente de pesquisas da consultoria.

Henrique Cecci, diretor de pesquisa do Gartner, reforçou que a administração do budget pelos CIOs é flexível dentro de certos parâmetros. “Cerca de 30% desses profissionais respondem diretamente aos CFOs”, observou. E em um ambiente que o orçamento é em real quando determinadas compras são feitas em dólar. Na sua avaliação, já pode ser notado um impacto nos custos de aproximadamente 30% por conta dessa situação. “A tecnologia está envolvida em todos os negócios, exige uma grande infraestrutura e contas precisam ser pagas”, disse.

Esse quadro pode levar a um movimento de transformação de Capex em Opex. Ou seja, para dimunuir os investimentos as empresas poderão adotar em maior escala a modalidade as a service. “Em nossas conversas com os CIOs, já temos notado que essa é uma opção sendo considerada”, afirmou.

Depois da otimização de custos, os CIOs brasileiros se voltam para a introdução de sistemas analíticos e BI. Ou seja, uma relação inversa ao que ocorre mundialmente, quando essa é a prioridade seguida dos investimentos em infraestrutura e data centers.

Na agenda dos CIOs para 2015, quase metade dos 2800 entrevistados em vários países, Cloud é uma opção viável. No entanto, 9% ainda não planejam usar essa plataforma nem mesmo em projetos SaaS, ou software como serviço, e 15% nem cogitam para sistemas IaaS, ou infraestrutura como serviço. O Gartner também detectou que a entrega móvel e a experiência de sistemas de TI, tanto para clientes externos quanto internos, se tornaram essenciais no projeto de sistemas.

One comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha: *
Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.