Operadoras devem fazer séria reflexão estratégica, propõe Accenture

Operadoras devem fazer séria reflexão estratégica, propõe Accenture

Quando a questão é transformação digital, os provedores de serviços de telecomunicações deveriam estar mais adiantados do que, realmente, estão. Para reverter esse quadro, o momento é de as operadoras pararem para fazerem uma séria reflexão estratégica para garantir o futuro dessas companhias. Isso pode envolver questões mais complexas, como a implantação de plataformas digitais que operem em paralelo aos sistemas tradicionais até o estabelecimento de medidas simples ou apenas novos modelos de negócios.

Esse cenário traçado pelo diretor executivo da Accenture, Ricardo Distler, mostra que a convivência com poucos desafios estratégicos por parte dos provedores de serviços está com os dias contados. “Esse mercado deveria estar muito mais amadurecido nessa questão e, entretanto, ainda está na infância”, afirmou. E a chegada de “nativos digitais” a esse mercado, como as OTTs (over to the top) é um sinal importante que exige atenção.

Distler considera que há alguns caminhos que podem ajudar a acelerar a entrada no mundo digital das operadoras. Uma delas envolve a criação de uma plataforma digital que leve essas empresas ao mercado com nova soluções e serviços. Esse ambiente conviveria com os sistemas mais tradicionais das companhias por um período. “Isso é muito melhor do que pensar em transformar pesadas estruturas em empresas digitais do dia para a noite”, ressaltou.

Esse esforço, na sua avaliação, também pode ser complementado com soluções mais simples e que não dependem de mudanças estruturais nas operadoras. “Ou seja, que na verdade já deveriam ter sido implantadas”, falou. Isso está relacionado a automatização de processos, por exemplo, ou mesmo uso de analíticos para buscar a monetização de alguns serviços.

Para Distler, avançar mais profundamente em processos de compartilhamento é outra das medidas que podem ser tomadas independente do ambiente digital. A Accenture é a gestora do sistema de ran sharing fechado entre  Oi e a TIM para utilização conjunta de equipamentos de acesso a rede wireless e acredita em novas iniciativas nesse sentido. “Os resultados obtidos foram muito bons”, garantiu o executivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha: *
Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.