Pure Storage: fusão Dell/EMC ajuda a acelerar crescimento da concorrência

Pure Storage: fusão Dell/EMC ajuda a acelerar crescimento da concorrência

Quando o mercado de tecnologia passa por momentos de consolidação entre gigantes do setor, como a recente aquisição da EMC pela Dell, quem sai ganhando são as empresas mais sensíveis à inovação. Essa é a perspectiva com que trabalha a Pure Storage, companhia que nasceu em Mountain View, na Califórnia, e tem como proposta a utilização da tecnologia flash para armazenamento. No início do mês, realizou um IPO no qual alcançou a quantia de US$ 450 milhões mas que foi, justamente, melhor cotado após o anúncio da venda da EMC. A estratégia atual prevê aproveitar o que pode ser um complexo processo de consolidação da líder em storage para acelerar sua expansão, incluindo nessa trajetória a entrada de nova linha de produtos. “Todo esse cenário nos favorece”, garante Wilson Grava, vice-presidente e gerente geral da companhia para a América Latina.

Nos pontos que relaciona como favoráveis estão as perspectivas de crescimento de 50% anuais na quantidade de dados, conforme o IDC. A consultoria também prevê que o mercado para armazenamento all-flash irá atingir US$ 1,6 bilhão em 2016, o que representa, na prática, uma expansão de 59% ao ano desde 2012. “Nesse processo, as empresas estarão prontas para mudar a fórmula de armazenamento. A tecnologia flash, em pouco tempo, estará mais barata do que os discos de alta performance tradicionais, oferecendo muito mais velocidade e eficiência do que eles”, comentou Grava.

Na outra ponta, entra a venda da maior concorrente em storage. “Os clientes vão se perguntar porque, afinal, ela precisou ser vendida”, ponderou o executivo. Essa é até uma maneira mais polida de dizer o que o CEO da Pure Storage, Scott Dietzen, escancarou em seu  blog: foi um sinal de fraqueza e uma tentativa desesperada da Dell de se tornar relevante no mercado empresarial de tecnologia. “As atuais líderes se tornaram grandes demais, paquidérmicas, se movem devagar e não conseguem inovar com rapidez”, completou Grava.

A projeção da Pure Storage era de que o amadurecimento da tecnologia flash no mercado de storage como alternativa aos sistemas tradicionais ocorreria em dois a três anos. “Mas acho que teremos um período de muitas dúvidas nos canais de venda e esse período poderá até ser acelerado”, afirmou o vice-presidente. Esse movimento coincide com a chegada a grandes mercados da nova linha // m, resultado de um desenvolvimento que, pela primeira vez na empresa, teve hardware e software projetados em um único produto. “Além disso, a solução conta com um suporte técnico preditivo que, via Big Data, faz correlações das informações e pode avisar o cliente de um potencial problema técnico que ele poderá ter”, observou Grava.

Na opinião do executivo, a América Latina, principalmente o Brasil, oferece grandes perspectivas para a Pure Storage. Atualmente, ela opera em cinco países da região.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha: *
Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.